Castelo dos Mouros

Sintra já estava há meses nos meus planos. Só faltava uma oportunidade e a parceria certa. Carol resolveu ir comigo nessa empreitada, afinal, subir as colinas da cidade em busca de seus segredos não é das tarefas mais fáceis.

Chegamos e fomos de Uber ao Castelo dos Mouros. Que lugar incrível. Construído no século VIII, ele tem vista de toda a região de Sintra e enxerga até o mar. Sem falar que o castelo é lindo. Muito bem conservado e com vários sítios arqueológicos, um ao lado do outro. Recomendo demais.

A dica aqui é que no Castelo você compra as entradas sem filas para o Palácio da Pena também. E, como é maior não tem aglomerações de turistas. O que me deixa muito feliz.

 

Palácio da Pena

De lá, subimos um pouco em direção ao Palácio da Pena, aquele todo colorido que se vê em todas as fotos de Sintra. Realmente a arquitetura dele é única. Dá belas fotos, sem dúvida. Mas é uma construção relativamente nova, de 1840. Muitos detalhes na edificação e simbologia nos seus adornos. Sempre está cheio de gente. Organize-se para chegar cedo ou enfrente as filas, pois elas estão lá o ano todo, não tem jeito.

 

Palácio Nacional de Sintra

De lá, subimos um pouco em direção ao Palácio da Pena, aquele todo colorido que se vê em todas as fotos de Sintra. Realmente a arquitetura dele é única. Dá belas fotos, sem dúvida. Mas é uma construção relativamente nova, de 1840. Muitos detalhes na edificação e simbologia nos seus adornos. Sempre está cheio de gente. Organize-se para chegar cedo ou enfrente as filas, pois elas estão lá o ano todo, não tem jeito.

 

O almoço no INcomum

Depois de muitas energias gastas subindo e descendo palácios e castelo, chegamos ao INcomum by Luis Santos. Um restaurante bem interessante e de comida muito boa. Preço bem abaixo de Lisboa, ainda bem. Fica na rua atrás à estação de trem e é bem fácil de chegar, em especial, na ida ou na volta pra Lisboa.

Achei o INcomum no Zomato e pesquisei opiniões no Trip Advisor também e todo mundo fala muito bem nos comentários. Isso é o que conta. No almoço, o menu completo sai por apenas 11 euros. Com tudo mesmo, entrada, prato, sobremesa e uma bebida. Carol foi nesse. Eu queria algo “mais diferentão” e fui na carta. Me arrependi, pois o menu do dia era muito mais completo e dava conta de um belo almoço.

Ela pediu uma salada de entrada, um Risoto de tomates secos e um filé de peixe de prato principal (que estava uma delícia) e o famoso crumble da maçã de sobremesa. Sério, não aguento mais crumble de maçã, mas estava gostoso e veio com uma bola de sorvete.

Eu pedi uma sopa fria de melancia, melão e espumante de entrada. Dava um ótimo refresco, mas de entrada ficou estranho. Para o prato principal pedi um risoto de maracujá com vieiras. Estava muito gostoso. Adoro vieiras. Quem não? Para acompanhar, uma taça de vinho branco do Douro do menu de almoço da Carol. Já que ela ficou só na água.

Recomendo demais o INcomum, pelo preço, pelo atendimento e pela ótima comida.

 

INcomum
Rua Doutor Alfredo Costa, 22, Sintra Centro, Sintra

 

O Café Saudade

De lá, fomos até a estação de trem para retornar à Lisboa. Já eram umas 16h passadas e foi então que avistamos o Café Saudade. Com uma lojinha de artigos artesanais logo na entrada e uma decoração bem peculiar e aconchegante, entramos e resolvemos tomar um café antes de retornar. Claro sem acompanhar pela queijadinha de Sintra, uma das delícias originais da região.

Dois cafés, duas queijadinhas e o meu inseparável pastel de nata. Pronto!

Não precisa mais nada. Só para termos energia suficiente para conseguir voltar pra casa.

 

 

Café Saudade
Avenida Doutor Miguel Bombarda, 6, Sintra Centro, Sintra

A conta

INcomum

  • Menu almoço €11.00
  • Sopa fria €5.00
  • Risoto de maracujá com Vieiras €17.00

Café Saudade

  • 2 cafés €1.60
  • 2 Queijadinhas €2.00
  • Pastel de nata €1.50

Total: €38.10

 

 

Dicas para um dia em Sintra saindo de Lisboa

Vá de trem (comboio) partindo de Lisboa. Isso é o mais óbvio. Siga essa ordem e dicas abaixo que você vai se dar bem.

Saia cedo de Lisboa. No máximo às 8h para evitar as filas. Se isso não importar muito pra você, tudo bem. Ignore. Mas o Palácio da Pena tem filas o ano todo, em julho e agosto então… insuportável. Chegue muito cedo.

Ao chegar à estação de Sintra peça um Uber. Isso mesmo. Você vai gastar 5 ou 6 Euros para subir até o Palácio da Pena. Comece por lá. Pois é o ponto mais alto e de lá depois é só descida. Se não estiver sozinho então, vale ainda mais.

– De lá, vá ao Castelo dos Mouros. Faça o percurso em volta das muralhas.

– Depois tens duas opções de caminhos para descer a pé. No quiosque onde vendem os ingressos tem mapas e dicas de como e por onde descer. Não fizemos, pois estávamos em cima da hora da reserva no restaurante, mas vale a pena.

– Pausa para almoço (fomos ao Incomum e depois ao Café Saudade).

– Depois vá ao Palácio Nacional de Sintra. Nada de mais, mas vale a visita.

– De lá, se ainda sobraram energia e pernas, siga para a Quinta da Regaleira (nós não tivemos disposição suficiente depois do almoço). Fica a dica, conhecer Sintra em dois dias é muito melhor. Então, voltarei em outra oportunidade para conhecer o que faltou. Além da Regaleira, tem o Monsserrate e, um pouco mais afastado, o Palácio Nacional de Queluz.

IMPORTANTE para jornalistas: venha com alguma identificação de que você é jornalista. Em Portugal, qualquer identificação vale. Seja a carteira de jornalista ou mesmo o crachá da empresa em que você trabalha serve para entrar gratuitamente em qualquer museu ou templo histórico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dois × dois =