Surpresas no menu e sabores bem peculiares do Cruel no Porto

Agora início de novembro fiz 40 anos. Acho que, para a maioria, é uma data muito especial. Comigo não foi diferente. Pensei muito onde eu gostaria de estar, com quem, o que comer, fazer uma experiência ou ir em algum lugar garantido. Muitas as perguntas, poucas as respostas. A única certeza era que queria estar no Porto.

Depois de um longo período distante da cidade e daqueles dias maravilhosos de verão quando cheguei a Portugal por ali, nada melhor do que curtir a cidade. Um lástima foi a quantidade de chuva em novembro. Sabia que teria problemas, mas não imaginava que choveria tanto.

Demos sorte no final da tarde daquele dia 2 de novembro por lá. Parou de chover e, como um presente divino, fez-se um pôr do sol lindíssimo, muitas fotos, roda gigante, beira do Douro e depois o jantar.

 

O Cruel

Sobre o restaurante, confesso que não foi fácil e acabei por decidir no dia mesmo onde seria a grande noite. Depois de pesquisar muitos lugares interessantes no Porto, escolhi o Cruel.

Lugar simpático, moderno, mas nada de extravagante. A ideia não era gastar os tubos, mas me divertir e curtir a noite como um todo. Como era uma ocasião especial, Carol e eu pedimos um espumante Vértice Rosé, o que aqui em Portugal não é muito simples de se achar ou de pedir, pois não é uma bebida tão comum como no Brasil.

O que mais me chamou a atenção do lugar foi o menu. Com as modernidades de hoje e com o Zomato para ajudar, a carta de quase todos os restaurantes de Lisboa e do Porto estão lá de cabo a rabo e com preços. Ou seja, não tem surpresa, mas no Cruel foi um pouco diferente.

 

O menu do Cruel tem três níveis de intensidade:

Cruel – para os mais ousados;

Cauteloso – para quem quer ser ousado, mas não muito;

Medroso – para os menos ousados.

 

Os pratos escolhidos

“A carta do Cruel, com a assinatura do Chef Luís Américo, desafia o paladar e oferece uma experiência de sabores únicos e irreverentes”, assim diz o site do restaurante.

Todos os pratos podem ser partilhados, o que é uma das coisas que me agrada quando saio para jantar. Provar o maior número possível de sabores do lugar ajuda a escrever melhor e contar mais histórias.

Não fomos muito ousados nas escolhas, até porque, era uma ocasião importante e não gostaria de arruiná-la com algo que não fosse tanto assim do meu gosto pessoal.

De entrada pedimos os Cogumelos recheados com queijo de cabra queimado e compota de pimentos, uma delícia. Podiam vir mais uns oito desses.

Prato principal a Carol pediu o Lombo de salmão na brasa mal passado, molho de manteiga, quinoa e salada. Estava excelente. Melhor do que o meu Naco de novilho na brasa com molho especial, batata aos murros e salada. Não que não estivesse bom, mas o dela superou as expectativas.

 

As sobremesas

Já estávamos cheios, mas a sobremesa era fundamental. Aliás, sempre é. Carol foi no menu mais medroso, Mousse de chocolate com crocantes de amêndoa. Era um mousse, nada demais. Eu já quis arriscar, já que no jantar tinha sido mais cauteloso. Fui no Toucinho do inferno com petazetas. O que seria isso, meu Deus? Era um toucinho do céu, porém com uma calda vermelho sangue feita com frutos vermelhos. Estava muito bom e foi divertido ver o prato ser finalizado à mesa.

Depois disso, vimos umas fatias de torta de chocolate gigantes cruzando o salão. Sério, eram enormes, devia dar para três pessoas uma fatia daquelas. Era a tão conhecida (por eles) Torre de chocolate (na foto está com uma luz vermelha assustadora). Infelizmente ficou pra próxima, assim como o restante do menu pra lá de diferentão.

 

A conta

  • Espumante Vértice Rosé €23,00
  • Couvert €3,00
  • Cogumelos recheados €5,00
  • Lombo de salmão €14,00
  • Naco de novilho €18,00
  • Toucinho do inferno €5,00
  • Mousse de chocolate €3,50
  • 2 cafés €2.40

Total: €73,90

 

Cruel
Rua da Picaria 86, 4050-447 Porto, Portugal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezoito − dez =